Escritos

Sunday, February 12, 2006

À Re. F.

Quem é você? "Você, que não encontro mais... os beijos que já não lhe dou... fui tanto pra você e hoje nada sou." É triste viver assim, na realidade. Mas, quem é você? Você chegou na minha vida como se alguém, ou algo superior, tivesse pegado você pelas mãos e depositado defronte a mim. A pergunta já não sei responder. Três dias, três dias mágicos, incríveis, experiências novas, vaticínios preparados? Não, destino? Acredita nele? Obra do acaso?, mera coincidência?

Elas são demais, e em grande profundidade. Posso dizer que sou outro, um outro renascido das cinzas que minha alma era. Grato a você por essa mudança. Essas perguntas... precisam de resposta? O que precisa de resposta se é perfeito? Eu a acho encantadora demais. Decepcionar-me contigo? Difícil... Mais fácil é o contrário acontecer. Não sei se sei a amar do jeito que você merece; pois você merece: não há no mundo alguém como você. Fomos "feitos um para o outro"? Não sei. E é nesse "não saber" que jaz o mistério mais absoluto e incrível que a vida pode nos proporcionar. Você mudou meu jeito de pensar, meu jeito de agir com os outros... fez-me crer e voltar a pensar que há alguém no mundo com um carinho para me dar, e que seja independente, forte, aprazível ao mesmo tempo; você, neste curto tempo em que nos conhecemos (pouco conhecemos, e confesso que adoraria continuar a conhecê-la por um bom tempo), reviveu uma parte de mim, um "pedaço de mim" que achei que havia morrido, pois eu "trago o peito tão marcado, de lembranças do passado" e você, se espaço me der, saberá a razão. Aliás, essa música traduz um pouco de mim. Conheça-me, eu lhe peço: "novos dias tristes, noites claras, versos, cartas, minha cara..". Você, sem querer, ajudou a reacender uma vela que não brilhava há muito em meu peito estraçalhado por negações e rejeições das piores maneiras possíveis.

As frases que você me disse, elas não sairão tão depressa da minha mente. Nunca, nunca antes, e não pense que é brincadeira, nunca ninguém me havia dito certas palavras, certas coisas que eu li, de modo sincero (como pude a notar), meus olhos marejavam, minha alma suspirava. Mas, ao mesmo tempo, minha alma atormenta-se, pois de esperanças vivi cheio durante toda minha vida, e elas todas fracassaram, esvaíram-se como pó pelo ar, sem deixar mais rastro, a não ser uma cicatriz que não desvanece: é permantente. Suas palavras maquiaram algumas dessas cicatrizes, algumas dessas feridas que ainda estavam abertas. Isso, em dois dias. É algo que não aconteceu comigo, e acho bom demais para ser verdade. Como? Essa é uma pergunta sem resposta. E pretendo não a procurar, deixe que o mistério da passagem da vida a responda por mim, por você e, quem sabe, se eu lhe agradar, por nós. Não quero, de modo algum, que se sinta em posição defensiva em suas atitudes. Faça o que bem entender: diga "não" se não quer, diga "sim" se quer; só não me ponha à espera em um "talvez" porque tudo na vida, com o sábio tempo, desaparece (menos um amor muito grande, o que não é impossível: passei a acreditar em cada aspecto da vida). Não quero que se sinta pressionada de modo algum, deixe que eu fale, é um modo de tirar da minha alma o peso que eu mesmo coloco nela. Se quiser, nem precisa ler essas frases, que para mim significam a vida, mas para você, podem ou não nada significar a não ser um extremo romantismo ou ridículo de alguém que ainda não sabe propriamente o que é amar.

Não sabe o que dizer ao me ver? Pois que não diga nada: deixe que os olhos se entendam. Eles têm uma linguagem própria, uma conexão com nosso íntimo subconsciente. Olhos não mentem, e "olhos nos olhos", sem palavras, às vezes, equivalem a um livro inteiro. Pois confesso que talvez não fale nada ao ver você. Sou tímido, sabe disso. Vou seguir minhas palavras e deixar que meus olhos repousem nos seus, e eles irão falar as primeiras palavras: vão apresentar-me a você (e vice-versa) de um jeito que não se expressa por palavras, de uma maneira inefável. Olharei para você, a encarnação do sonho; o que eu esperei, sofrendo, a vida inteira.

Não sei dizer, nem posso adivinhar a força que essas palavras aqui escritas fazem em você. Será que a afetam de algum modo? Ou apenas pensa que eu seja mais um dos incontáveis "últimos românticos" a falar de amor com você, em uma quase declaração? Às vezes, pego-me pensando em você... faço planos, sonho com um futuro nosso; no entanto, esses sonhos desvanecem sempre, pois sei que, talvez, não goste disto que escrevo, ou de algo que eu faço. Quem me dera estar com você para ouvir o que você tem a dizer disso!!

Sinto-a tão perto, mas tão longe. Perto fisicamente, longe de outros mod0s. Estamos, afinal, no mesmo espaço, no mesmo lugar. Ainda assim, minha mente pessimista não crê que você seja real, que exista. Não que eu lamente minha vida, meu passado e nem desmereça você: um dia, explicarei-a tudo. Você se faz perfeita sob todos os aspectos, desde o emocional até o gosto por certos filmes, músicas, estudos, trivialidades. Isso me move, junto às suas palavras, a um plano maior, um plano em que me imagino feliz, ao seu lado (quem sabe?), caminhando juntos na jornada da vida, mesmo que essa vida dure uma semana: não "proponho casamento a você na primeira semana" (palavras suas). Apeguei-me aos seus detalhes... não é como você diz que é: acho você linda, estupenda. Só não creio no contrário: eu? Só rindo mesmo! Não é feia, é mais linda do que a maioria: você reune em uma só qualidades invejáveis, qualidades essas que, se metade desta cidade tivesse, Éden não estaria muito longe. Possui defeitos? Decerto. E digo-lhe mais: desejo conhecê-los profundamente. Possuo defeitos? Decerto. Se você quer os conhecer, não sei. Você apenas me dirá.

Decepcionar contigo? Não. Certamente não. Vi-a, e, como eu disse, "não me faças apaixonar por ti, sou precipitado". Talvez eu tenha precipitado; já, sim. E não me arrependo, nem me arrependerei disso: serei grato para sempre. Há um ról de pessoas que figuram as melhores: você foi a mais rápida a entrar nesse ról, surpassando muitas pessoas que eu achava que me ajudavam. Um dia, se quiser, explico o porquê. Só não me repita mais que eu me decepcionaria com você: isso não é verdade. Talvez o contrário seja verdadeiro. Você me conhece pelos meus pensamentos; odeio mentiras, então cada linha daqui é verdadeira, cada linha deste texto é uma porta para a qual você apenas tinha a chave, nem eu a tinha. Já a elogiei em nossas conversas, portanto não preciso repetir aqui (apesar de querer fazê-lo).

O futuro nos dirá o que irá acontecer. Se será bom ou ruim, não cabe a mim decidir. Se o resultado for bom, espere uma pessoa empenhada em lhe dar o melhor de tudo, um amor surreal mas concreto, com limites e espaços para cada um, pois assim é que se vive. Não quero fazer propaganda de mim mesmo, não. Encare isso como uma conversa, a dois, a sós, em um daqueles bancos em que, talvez, passaremos a tarde juntos.
Repito: não se sinta pressionada por isso que lhe escrevi. É basicamente minha alma escrevendo, não minha mente. A mente consciente só trabalha as palavras na ordem certa. O que está nas entrelinhas é o válido.

Vou colocar meu email aqui, e você sabe que este texto é para você, por isso, nem mencionei nomes. Talvez... em um incerto futuro (conheceu alguém assim já?, que escreveu um texto apaixonado sem a conhecer?).
É: rafaelrocca@gmail.com

A vida guarda surpresas, e você foi a melhor surpresa que até hoje me aconteceu. Espero que me escreva algo ou que leia isto antes do dia 13, para que lá você saiba um pouco mais de mim. Você... é... tudo... o que... a vida... quis... me... mostrar... DE EXCEPCIONAL!

Beijos.
R.R.

1 Comments:

  • Oh my... you gotta be kiddin' me..
    i came here thinking i'd see a letter like the other ones, but then... you really surprised me you know? and i think that's what makes you so special to me.
    you're right...things were fast between us. and i have many hopes and dreams for tomorrow.. what will it be? i don't know... really i don't. i'm so anxious to meet you, that i'm afraid i can blow it all in the last moment...
    oh, i think that's the right moment to say: since yesterday i'm... single. yeah, we didn't work out, and i think it would be better to break up.
    and now, heart-broken, i just see these sweet things you wrote me and i.. i don't know what to say... maybe you're too much for me, too much that i expected.
    thank you for everything... every little thing you said to me is precious, and i'll keep it in my heart for now and on.
    thank you, for existing and showing up in my life. i think there would be no better moment for doing that.
    you're much more i expect in a guy.. i guess you're just an illusion, but i'm hoping you're not.
    you're everything i ever needed.

    By Anonymous , at 12:55 PM, February 12, 2006  

Post a Comment

<< Home